ENSAIOS </head> <body>

♥ Ensaios ♥
       'Quantos gritos cabem dentro de um silêncio?'
FOLLOW | DASHBOARD
entries
about
chat
template made by Lila
Ah, meu bem, mas eu sinto vergonha
<> terça-feira, 18 de março de 2014 // 19:23

Vejamos se eu peguei bem a idéia da matéria. O Brasil está em plena guerra civil, com manifestações todos os dias, incluindo decaptações. E é claro que é uma imensa Amazônia, cheia de doenças que não se vêem nem nos mais pobres lugares da África. Terra de ninguém, comparável a um front. O povo é o culpado disso tudo, vândalos. Mas faltou a conclusão do texto, senti falta de um “cuidado com os índios, eles te levam pra rituais canibais”. Provavelmente as manifestações são feitas em prol do uso de carne humana para espetinhos.
Faça-me o favor. Eu vivo no Brasil e, não, eu não sou assaltada todos os dias, ou estuprada a cada esquina e olha que eu ando por aí de vestido. Claro que não vivo em nenhum dos centros mais violentos. Mas o Brasil não é feito só de Rio de Janeiro e São Paulo.
O poder corrompe, acredite, Maquiavel tava certo. Não são só os políticos brasileiros que são corruptos, muito longe disso. Qualquer um que se ver com muito poder e dinheiro na mão é corrompido por eles. A questão é de que forma se é influenciado. O governo PT não é uma maravilha, porém talvez seja o melhor que podemos ter agora. Antes de pensar em tirar a Dilma do poder temos de pensar em qual é a alternativa.
O Brasil foi redescoberto em 1500, não houve tempo para tamanha evolução. A independência foi há 200 anos, enquanto a França tem uma história muito mais longa. Não pode haver comparação. Fora que o Brasil é um país muito maior, tanto em extensão quanto em população. É bem mais difícil fazer um país do tamanho de um continente se desenvolver que pôr pra frente uma nação pequena no meio da Europa.
“Brasileiros de identificam com analfabetos”, sério mesmo? Isso porque não deve haver empatia entre alfabetizados e não alfabetizados, né? É quase como uma raça diferente. Talvez devamos pô-los em campos de concentração. Generalizações sempre dão errado, sou brasileira e em vez de estar assistindo a um jogo estou aqui escrevendo sobre política.
“Diariamente os ônibus são atacados por gangues”. Engraçado, pego ônibus todos os dias e nunca fui incinerada. Acho que não estou no Brasil. “O transito é uma selvageria”, como se o país fosse o único lugar do mundo com filas. Tem sinalização sim, inclusive com desenhinhos. Devo dizer que o SUS é ruim, mas compará-lo à uma zona de guerra me parece um tanto exagerado. E a história da competência para formar médicos, por favor, estamos falando de um país não exatamente rico com 200 milhões de habitantes, não dá pra entender só por isso? Empregos para quem os quer, cubanos querem. Qual o problema? É para melhorar.
Alguém precisa realmente checar os assassinatos, e por que quase ninguém leva em conta o número de habitantes do Brasil? “Rebeliões com dezenas de mortos, pessoas decapitadas, esquartejadas são frequentes.” Sim, teve uma, chamada Inconfidência Mineira. (1789).
Sim, as prostitutas terão aulas de inglês, ministradas por voluntários! Quem aí quer dar aulas de línguas para os taxistas?Inglês pras prostitutas.
É claro que o país não está preparado pra copa, qualquer um pode ver. E há muito o que evoluir em educação, penitenciarias, política, saúde antes de fazer um mundial de futebol. Eu queria que todo o sistema de educação mudasse, sem falar no sistema penal, que eu considero absurdo e desumano. Mas o Brasil não é ruim, temos liberdade de expressão, que é uma das coisas mais importantes, e estamos caminhando para um futuro melhor. Lentamente, mas tá indo. A Dilma não é ruim e talvez seja a melhor que temos. As manifestações não deram certo porque não foram traçados objetivos específicos e vários grupos foram misturados, grupos que queriam coisas opostas. Nada impede uma nova tentativa. A copa foi um erro, contudo agora não há mais nada a fazer, só tentar fazer o melhor possível com ela. O Brasil é enorme e seu atraso está intrínsecamente relacionado a isso.
Mas o pior é que não foi uma revista francesa quem disse tudo isso, a tradução foi deturpada. Fraude na tradução. São brasileiros. Tento crer que foi uma piada. De alguém que achou que isso seria tão ridículo que ninguém consideraria verdade. Ou, no mínimo, se indignaria. Mas não, infelizmente, o texto foi compartilhado com louvor. Seguido de comentários de “A mais pura verdade.” Sinceramente, dá vontade de chorar. São pessoas que eu conheço, com quem eu convivo que concordam com essa absurda matéria na íntegra. Eu começo a achar que elas não vivem no mesmo Brasil que eu.

Autora: Júlia. 
Já que é um texto sobre política só gostaria de assinalar que as opiniões são só minhas, sem participação da Mari, ou de qualquer outra pessoa. 



Marcadores:


<